domingo, 28 de julho de 2013

SIGA-ME E TE DAREI…, de Marli Gonçalves


…tudo, a luz, as estrelas, viagens, dinheiro… Acreditou? Do jeito que todo mundo anda atrás de algo ou de alguém a se apegar, nem duvido que tenha até chegado a imaginar as benesses que, infelizmente, não estão nem ao meu próprio alcance. A procura por líderes e ídolos para nos guiar, proteger, defender e ajudar continua a pleno vapor. Se antes de mim você encontrar algum ou alguém que valha a pena promete me avisar?



Vivemos procurando a tal luz no fim do túnel. A estrelinha Vésper no firmamento. A última garrafinha de água no deserto. O Mestre Supremo e o Senhor de todas as coisas. O Grande Orientador. Pior, também passamos a vida achando que os encontramos, até que um tranco qualquer, em geral alguma verdade, apareça e nos leve as ilusões, deixando-nos mais para baixo que bico de gaivota quando mergulha para pescar. E lá vamos nós em busca de novo, e de novo, acreditando nas promessas.

A necessidade de adorar e idolatrar, sei lá, imagino, não deve ser só da gente que é gente, pessoa. Conheço gatos e, especialmente, cachorros, que idolatram verdadeiramente seus donos, o que é visível em cada um de seus atos. Acho que a diferença é que nos animais esse amor é incondicional, e sobrevive até aos trancos de mau humor que possamos ter com eles, que sempre estarão lá, babando, abanando o rabo, se esfregando em nossas pernas. Será questão de memória? Temo que não, porque também conheço casos de animais que guardam a raiva de alguém até poder descontar, ou com uma bela mordida, ou com um bom arranhão.

Obviamente que esta semana andei rassudocando muito sobre tudo isso. Rassudocar? Quer dizer pensar, imaginar. Não sei se já é termo aceito, se é gíria, mas não tem palavra melhor para aquele pensamento que a gente fica remoendo, que vai e que volta, que praticamente dissecamos e cercamos até resolvê-lo por inteiro, ou mesmo esquecê-lo, o que também pode ser de repente, quando a cabeça é invadida por outro tema. Para escrever a gente rassudoca muito – creio que isso acontece com todos os escritores e cronistas.

Enfim, rassudoquei sobre a loucura que circundou a visita do Papa Francisco, definitiva e rapidamente eleito pelo Brasil como uma das pessoas mais legais, simples, simpáticas, corajosas e carismáticas de todo o mundo, de todo o Universo, quiçá. O que para um argentino, venhamos e convenhamos, também beira um milagre. Ele veio pronto a inspirar e colher essas paixões, ao falar e discursar, praticamente dizendo tudo o que queríamos ouvir, à exceção de “Fora Cabral”. Esperávamos por um líder, qualquer ser, que viesse nos ajudar com nossos perrengues nacionais e particulares.

Daí fiz uma listinha do que é necessário para ser ídolo nestes tempos atuais: dizer que compreende tudo, que está ouvindo as voz das ruas, dos jovens, dos protestos, coisa que não sei se vocês repararam virou mania nacional, mas já engolfada pela propaganda, a comercial e a política. Tem uma, de refrigerante (!), que fala até em “batedores de carteira honestos”, seja lá o que isso quis dizer. Até os partidos mais reacionários estão vindo com essa conversa fiada, mostrando imagens e sons dos protestos, e fazendo promessas com a cara candura de sempre. Sem mudar nada.

Não me admira que tantos ídolos fiquem pelo caminho, demonstrando ser feitos de barro, de ar, de vidro ou qualquer outro material de quinta, inclusive moral e eticamente falando. Não me admira que haja tanto desânimo e descrença, e aí reside o grande perigo de sempre: não existe o vazio; ele pode ser preenchido por qualquer coisa que tampe o buraco. Temos necessidade de ter ou ídolos, ou mestres, ou quem vá na frente segurando uma vela. Isso não tem jeito.

Vejo quem sofre porque o Lula, “Noço guia supremo”, os “traiu”. E também vejo quem fica até úmido quando o vê, e tampa os olhos, o nariz e os ouvidos de forma impressionante quando se apontam fatos irrefutáveis sobre seus desfeitos. Acontece. Tem quem se atarraque numa coisa e não largue dela nem para se jogar junto, do precipício.

Perdi tantos ídolos nos caminhos da vida que hoje os evito; talvez por isso perceba tão bem essa tendência a se enrabichar atrás de qualquer coisa. A diferença é que o povo também não tem nenhuma fidelidade e troca de amor sem nem trocar a camisa.

Estamos vendo isso na política. Sonhadores, por exemplo, pensando que Joaquim Barbosa é mesmo o Batman. Que a Marina chega lá. Ou que Luan Santana canta bem, e que tudo o que está acontecendo seria resolvido com a volta dos que já foram, mas ameaçam afiar unhas, ameaçando os que deixaram de venerá-lo, vendo sua verdadeira face.

Só que para combinar com o momento que atravessamos é bom lembrar que para muitos a idolatria é considerado um terrível pecado. Principalmente quando não há santo, nem para fazer milagres, nem para fazer promessas, muito menos para a gente ajoelhar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Seguidores

Arquivo do blog

LIBERDADE COMO NOSSO DOM MAIOR

Ser livre para ir e vir!Pela liberdade de expressão.Pela humanidade contra os pregadores da escuridão que assolam nosso mundo moderno.Democracia verdadeira sempre,não aquela de fachada que persegue quem não compartilha de suas idéias.