quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

ALEXANDRE GARCIA- VOTO E VIDA

Se dependesse do Ministro da Fazenda, a obrigatoriedade do air-bag e do ABS em todos os carros novos a partir de 1º de janeiro, seria adiada por um ou dois anos. O pretexto é que a indústria não estaria preparada para incluir esses dois dispositivos de segurança nos carros populares. O que não era verdade. Uma indústria importante, como é a automobilística, não é imprevidente. Porque a exigência é de duas resoluções do Conselho Nacional de Trânsito, de três anos atrás. É bom lembrar que o ABS e o air-bag já têm 30 anos de existência. E são essenciais para a segurança das pessoas dentro dos veículos.

O ABS mantém a dirigibilidade do carro, mesmo em freada brusca. A roda não tranca e se pode frear e desviar de um pedestre, por exemplo. O air-bag é uma bolsa de ar que se infla em centésimos de segundo, protegendo a cabeça. O trânsito mata cerca de 80 mil brasileiros por ano. Esses dois dispositivos, junto com o cinto de segurança, podem salvar milhares de vidas. Mas o Ministro Mantega parece estar mais preocupado com a inflação que seria afetada por um pequeno aumento nos carros populares, com a obrigatoriedade do ABS e air-bag. Um aumento entre 1500 e 2000 reais, que faria cair as vendas e causar desemprego no setor. A presidente Dilma nega que Mantega tenha falado com ela sobre adiar o air-bag e ABS.

Meu amigo Silvano Valentino, presidente da Fiat no Brasil, quando era presidente da ANFAVEA, me mostrou, no sotaque italiano, o regulador da altura do cinto de segurança preso à coluna do carro: "Isto custa um real e cinqüenta centavos, mas não equipa os carros populares. O cinto mal ajustado pode cortar o pescoço ou quebrar uma costela. No Brasil, a vida das pessoas é medida por sua capacidade aquisitiva. Quem só pode comprar carro popular não tem ajuste no cinto." Isso foi há uns 15 anos. E a cultura continua a mesma. A preocupação do governo pode ser com inflação, com preço de carro popular e com voto. Mas vidas valem mais que tudo isso.

Nem deveria precisar de lei para obrigar as fábricas a protegerem a vida dos que as sustentam, comprando seus produtos. Como não deveria precisar de lei para que a pessoa se proteja. Uso cinto desde 1967. Na época, os carros não tinham cinto nem se fabricava cinto no Brasil. Comprei um GM importado e mandei instalar no meu Karmann-Ghia, pois quem gosta de mim sou eu. O cinto me salvou a vida na colisão frontal com um caminhão. Não consigo entender que as pessoas comprem carro pela cor ou pela aparência dos parachoques ou maçanetas. Eu jamais compraria um carro com pouco torque, sem controle de tração, sem cabina reforçada, sem que a frente e a traseira amorteçam choques e, é óbvio, sem air-bag e ABS.
Alexandre Garcia é jornalista em Brasília e escreve semanalmente em Só Notícias 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Seguidores

Arquivo do blog

LIBERDADE COMO NOSSO DOM MAIOR

Ser livre para ir e vir!Pela liberdade de expressão.Pela humanidade contra os pregadores da escuridão que assolam nosso mundo moderno.Democracia verdadeira sempre,não aquela de fachada que persegue quem não compartilha de suas idéias.