quarta-feira, 13 de novembro de 2013

“Quando são os jumentos que fazem leis acabamos todos comendo alfafa.” (Pócrates)

A doutrinação marxista é mundial, por Rodrigo Constantino

Tenho exposto aqui no blog vários casos de gritante doutrinação marxista nas faculdades brasileiras, especialmente as federais. Não é o simples fato de Marx ser estudado como pensador, como alegam os bobinhos marxistas. Claro que isso faz parte, mesmo sabendo-se que o sujeito errou em praticamente tudo e foi responsável pela utopia revolucionária mais nefasta da história da humanidade.
O problema é o viés mesmo, a reverência, o foco excessivo, a lavagem cerebral, os seminários e palestras que tratam o marxismo como uma doutrina louvável, e não como o retumbante fracasso que é. Para cada vez que o nome Adam Smith é mencionado numa dessas universidades, o nome Marx deve ser citado umas cem vezes!
Mas se no Brasil essa doutrinação marxista está em estágio assustador, vale notar que não é exclusividade nossa (ainda que a pregação marxista renda mais frutos abaixo da linha do Equador, onde há mais miséria e ignorância). Como prova, um leitor me mandou esse cartaz de sua faculdade… na Alemanha!
Marxismo na Alemanha
Você, como eu, deve pensar que o Muro de Berlim foi derrubado em 1989, que o rastro evidente de desgraça que o marxismo deixou do lado oriental seria suficiente para que a simples menção de seu nome fosse motivo de briga e revolta, que nenhum alemão jamais ousaria citar essa doutrina novamente. Mas, assim como eu, estaria enganado.
Quando pensamos que há até nazistas alemães ainda hoje, essa constatação do viés marxista parece menos espantosa. Mas o triste fato é que muitos não aprendem nem mesmo com a experiência! O mais inteligente, claro, é aprender com a lógica, a observação, e jamais flertar com essas doutrinas bizarras e coletivistas. Mas não aprender nem mesmo com o passado recente? Isso é incrível sim.
“Marxismo Revolucionário – Teoria para ação”, diz o cartaz. O leitor escreve na mensagem: “Por ser uma faculdade de tecnologia, a maior parte do pessoal está mais preocupada em estudar do que filosofar. Por isso esse tipo de propaganda não pega muito por lá. Mas dar uma volta na Humboldt e na Freie Universität é como voltar ao tempo do entre-guerras”.
É isso, gente. A praga marxista não morre, nem mesmo após cem milhões de inocentes sacrificados no altar de sua utopia igualitária. Quantos mais precisam morrer, viver na miséria ou ser escravizados para que esse povo entenda que o “fim dos meios privados de produção” e a “ditadura do proletário” significam sempre, inexoravelmente, morte, miséria e escravidão?

STF determina prisão de Dirceu e da cúpula do mensalão

Mais de oito anos depois da revelação do escândalo do mensalão, o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou nesta quarta-feira a prisão imediata do ex-ministro José Dirceu por ter comandado o maior esquema de corrupção da história do país. A decisão da Corte também atinge a antiga cúpula do PT e os demais réus que haviam sido condenados, mas ainda tentam diminuir suas penas por meio de recursos.

No caso de Dirceu, ele deverá iniciar o cumprimento da sentença em regime semiaberto até que seu último recurso – um embargo infringente – seja analisado pelo Supremo no ano que vem. A redação da sentença definitiva, com o cálculo da pena inicial dos réus, será proferida pelo presidente da Corte, ministro Joaquim Barbosa, nesta quinta-feira. A tendência é que Dirceu comece a cumprir sete anos e onze meses de prisão em regime semiaberto. Esse tempo ainda poderá chegar a dez anos e dez meses em regime fechado se a Corte rejeitar seu embargo contestando o crime de formação de quadrilha.

Glossário

EMBARGO DECLARATÓRIO
Recurso utilizado para esclarecer omissões ou contradições da sentença. Pode corrigir trechos do veredicto do tribunal, mas não serve para reformular totalmente a decisão dos ministros
EMBARGO INFRINGENTE
Recurso exclusivo da defesa quando existem quatro votos contrários à condenação e que permite a possibilidade de um novo julgamento do réu.  Apenas os trechos que constam dos embargos podem ter seus efeitos reapreciados; o restante da sentença condenatória segue intacta
O ex-presidente do PT na época do escândalo, deputado José Genoino (SP), e o ex-tesoureiro Delúbio Soares também vão começar a cumprir pena em regime semiaberto. Já o operador do mensalão, Marcos Valério de Souza, seguirá para regime fechado.
Saiba como foi a sessão desta quarta-feira

A sessão desta quarta-feira foi marcada por confusão e bate-boca entre os ministros. Irritado, o ministro Gilmar Mendes chegou a afirmar que havia uma tentativa de manipulação para evitar que os réus fossem presos. Joaquim Barbosa afirmou que seus colegas na Corte faziam “firulas” para atrasar o desfecho do julgamento.

A decisão do Supremo de impedir o chamado trânsito em julgado dos trechos contestados pelos embargos infringentes começou a ser definida no voto do ministro Teori Zavascki. Um dos novatos na Corte, o magistrado afirmou que, independentemente da possibilidade ou não desses recursos serem usados por determinados réus, a simples apresentação do recurso impede que a execução do trecho da sentença contestado pela defesa. Isso porque embora o STF tenha decidido acatar os embargos infringentes para réus que obtiveram ao menos quatro votos favoráveis, alguns deles apresentaram esse recurso mesmo sem os quatro votos. É o caso, por exemplo, dos deputados Valdemar Costa Neto (PR-SP) e Pedro Henry (PP-MT). Ambos foram condenados a penas acima dos sete anos de reclusão e começariam a cumprir a sentença em regime semiaberto. Mas, com a decisão desta quarta do STF de não permitir a execução das condenações contestadas, nenhum dos dois mensaleiros, terão as penas executadas no momento.
No futuro, a admissibilidade dos embargos infringentes daqueles que não têm quatro votos favoráveis pode ser decidida individualmente pelo relator do mensalão, ministro Joaquim Barbosa, mas o magistrado pode levar o tema a plenário para debate conjunto da corte.

Declaratórios - Antes dos debates sobre a execução das penas, os ministros julgaram e rejeitaram em massa a segunda leva de embargos de declaração apresentados por dez mensaleiros condenados. Esse tipo de recurso busca esclarecer as sentenças e apontar eventuais contradições, mas, na interpretação do STF, foi utilizada essencialmente para protelar o fim do mensalão. No caso desses réus, incluindo o delator do esquema, Roberto Jefferson, a execução da pena também será imediata, independentemente da publicação do acórdão com as decisões da corte.


Na fase dos embargos de declaração, apenas o ex-presidente da Câmara, João Paulo Cunha (PT-SP), teve o recurso totalmente acolhido, mas o teor do apelo era essencialmente formal. O plenário acolheu o recurso para corrigir o acórdão e fazer constar o valor de 536 440,55 reais como o valor desviado pelo parlamentar no crime de peculato. Cunha foi condenado a nove anos e quatro meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e peculato. Ele recorre de parte da sentença por meio de embargos infringentes e tentará reverter a condenação de lavagem.
VEJA

GOZETA DE NOTÍCIAS- Pesquisa diz que brasileiro é o povo que mais sorri no mundo. Só ainda não descobriram do que.

“Alma é igual político honesto: pode até existir, mas ninguém vê.” (Limão)

“Alguns políticos nos dão a impressão de que são bons, mas é só por que os outros são abomináveis.” (Mim)

“A maior e melhor mãe do Brasil é o estado. Nunca falta leite em suas tetas. É de fazer biquinho de tanto mamar, não é cambada?” (Mim)

Apresentação dos malucos

Irão aparecer aqui pelo Maldito alguns frasistas e loucos de minha leva: Climério,Filosofeno, Mim, Pócrates, Eriatlov, Leão Bob, Bilu Cão, Eulália, Josefina Prestes, Pafúncio, Cubaninho,Limão e outros. 

E não é?

“A ciência todos avança todos os dias, descobre novas tecnologias e novos medicamentos. Mas percebo no homem em geral o aumento da ignorância, a estupidez como argumento principal. Rebanhos de tolos seguem ordeiramente crápulas de boa oratória sem pensar no que estão fazendo. 
Florescem os diplomas, míngua o conhecimento.” (Filosofeno, o filósofo que dorme sobre o capim)

“A amizade é um amor que nunca morre. Isso se os amigos não fizerem uma sociedade comercial.” (Filosofeno)

“Minha fama ultrapassou os limites do meu quintal, não há cobrador nesta cidade que não me conheça.” (Climério)

“Tive um primo que morou por cinco anos num zoológico. Contou-me que o mais difícil foi acostumar-se com a falta de educação dos humanos.” (Leão Bob)

Contam por aí

...Contam por aí que o capeta só não veio morar no Brasil por um detalhe: a concorrência.”

Contam por aí...

....Contam por aí que Brasília foi construída sobre um cemitério indígena da época Pré-Cabralina, os Mãos Grandes. Faz sentido.

“Conheço um manco sentado e um cego dormindo. O manco sou eu, o cego é o eleitor brasileiro que vota mal barbaridade.” (Pafúncio)

“Alguns pais não se contentam apenas com a própria mediocridade, cortam asas e proíbem também os filhos de voar.” (Filosofeno)

Uma ausência de modelo

Roberto Damatta - O Estado de S.Paulo
Sou do tempo em que se discutia qual era o maior país do mundo. Éramos tão ignorantes e ingênuos que, mesmo neste vale de lágrimas, acreditávamos na existência de nações sem problemas.

Um sujeito dizia que a França era o cara; mas um outro arguia que não: o lugar era dos alemães porque, além da excelência nas suas máquinas inquebrantáveis, eles tinham reinventado a religião, a literatura e a música. Já um terceiro lembrava que os americanos ganharam o guerra e que, sem ter tido dissidências internas que desembocavam no Terror ou no Nazismo, davam valor à iniciativa individual e inventaram o filme colorido e musicado. Mal dizia isso, porém, um outro notava a velha Inglaterra da Revolução Industrial e do Estado de Bem-estar Social. O primeiro país a equilibrar democracia com aristocracia, criando equilíbrio entre ricos e pobres. Essas classes que em todo lugar viviam sem classe.

Era a deixa para alguém falar da União Soviética e situá-la como o modelo de um paraíso já em curso. Avassalador e irresistível como a manifestação mais clara das leis do progresso histórico liderada pelo partido - esse instrumento da liberdade concreta e do fim do ardil burguês-capitalismo condenado à morte pelo seu próprio funcionamento.

Tal era o debate nos meus tempos de juventude quando, numa praia de Icaraí sem poluição, eu ouvia o Pezinho, o Silvinho, o Enylton e o Moliterno, para ficar nos mais queridos, nessas preocupações que se reproduziam na casa de vovô Raul quando meus tios discordavam sobre os melhores automóveis, navios, aviões e, creiam-me!, navalhas. Aliás, esse era o único assunto que fazia meu pai falar e introduzir no campo dos países exemplares a Suécia, pois somente ele barbeava-se com o inigualável aço de navalhas escandinavas.

Com a Suécia, surgia a Holanda. Uma Holanda conhecida pelos moinhos de vento pois nada sabíamos de sua trajetória cultural marcada pelo Calvinismo, pelo grande Espinosa e pelas suas famosas p... em vitrines, como a confirmar o que freudianamente sobra quando se combate extremadamente a sexualidade. Havia um imenso toque de provincianismo e de pós-guerra nesses debates, razão pela qual surgia o Japão como eventual bandido e a China como uma espécie de doente perdido e, imaginem, irrecuperável.

Da nossa pátria - esse Brasil feito de lusitanos, índios e negros escravos - que era o lanterninha do mundo, cabia o papel de ator estreante cujas linhas mal decoradas não convenciam no palco onde brilhavam esses gigantes "adiantados" que por suposto e definição haviam dado certo e resolvido tudo.

Isso era tão verdadeiro que ouvi de um professor que a própria língua já determinava o lugar das "raças humanas", conforme era comum classificar as sociedades daqueles dias antigos e ferozes. "Tome o alemão. Só um sujeito inteligentíssimo pode dominar essa língua complexa, criativa e desenhada para a filosofia!", dizia ele. "E o Português?", perguntou um colega. "Bem - respondeu o mestre sorrindo - a nossa língua pátria é boa para o samba, para a anedota e para o mais ou menos!"

Mais tarde, descobri que o professor havia tentado aprender alemão com um refugiado de guerra; um tal de Otto Folterer, e que o instrutor o havia feito desistir por "falta de inteligência". Quando timidamente eu perguntei do meu canto, como é que se explicava que na Alemanha as crianças falavam alemão, ninguém me deu atenção. Eram todos, como os gregos antigos, inteligentíssimos, tal como os holandeses que, não sei bem porque, teriam essa afinidade com os helenos e os germânicos. Segundo a lenda, os holandeses seriam capazes de entender todas a línguas, desde que o estrangeiro falasse devagar, soletrando as palavras.

Foi o que ocorreu com o Soares quando ele viajou para o Holanda. Sem saber uma vírgula de holandês, lembrou-se do detalhe e pediu ao esguio e atencioso garçom holandês um bife bem-passado com fritas e um chope gelado pronunciando cada palavra monossilabicamente. Minutos depois, chegou o garçom com o pedido. "Como você me entendeu?", inquiriu o Soares. "Eu também sou da terrinha...", disse o holandês devagar, detendo-se como ele em cada sílaba. "E por que Diabos - explodiu Soares - estamos falando holandês?"

Assim era o nosso mundo, feito de países de elite: grandes, adiantados, civilizados e resolvidos. Neles, nada faltava e, por isso, eram o oposto do Brasil onde faltava tudo, até mesmo uma língua inteligente e um conflito brutal, mas indispensável ao progresso.

Quando eu olho para a crise europeia, apavoro-me com o radicalismo político americano que paralisa o governo, vejo como a grande esquerda francesa e russa esboroou-se, eu tenho uma certa nostalgia desse nosso Brasil inocente, mas que também faz espionagem, explora os médicos cubanos, derruba viadutos, sonha com censura e que, de fato, tem uma língua tão ou mais complicada que o alemão.

Essa língua que os nossos políticos já estão falando por conta das eleições...

“A vida começa aos quarenta. Começa sim, começa a ir embora.” (Mim)

SEMELHANTES

“A morte e a ruína são coisas semelhantes. A gente pensa que elas nunca irão chegar e quando percebemos estão à nossa porta.” (Filosofeno)

"Vagabundos do Brasil, uni-vos! Como? Desde 2002 eles já estão unidos? Estou sempre atrasado." (Shal Amoníaco)

ÇÁBIOS

“Tem gente que não consegue educar um cão, mas tem as soluções para o mundo.” (Limão)

Carrasco

“Eu não julgo ninguém, apenas cuido da guilhotina.” (Aido Pescoço)

Mãos que afanam

“Mesmo os governantes mais medíocres roubam. E ao contrário dos grandes safados não são nada sutis.” (Mim)

Asas cortadas

“Alguns pais não se contentam apenas com a própria mediocridade, cortam asas e proibem também os filhos de voar.” (Filosofeno)

O nada

“O nada existe. Basta conhecer por dentro alguns governantes.” (Eriatlov)

“Brasília... Cabide... Ladrão... Sempre existe lugar para mais um.” (Mim)

Racionais

“Somos racionais. Talvez seja por isso que dirigimos bêbados, nos matamos, aleijamos ou matamos nossos semelhantes, ou então ficamos arrebentados para o resto de nossas míseras vidas.” (Filosofeno)

Seguidores

Arquivo do blog

LIBERDADE COMO NOSSO DOM MAIOR

Ser livre para ir e vir!Pela liberdade de expressão.Pela humanidade contra os pregadores da escuridão que assolam nosso mundo moderno.Democracia verdadeira sempre,não aquela de fachada que persegue quem não compartilha de suas idéias.