domingo, 22 de dezembro de 2013

“O buraco da mediocridade em que estamos metidos foi cavado durante anos pelas mãos dos canalhas com mandatos.” (Mim)

“Não consigo mudar nem de roupa e vou querer mudar o mundo?” (Limão)

No paraíso, Caim e Abel se aliviavam na mão ou na mãe?

“As serpentes não evoluíram. No paraíso eles falavam.” (Climério)

“Não ando com gente feia. Para assustar os outros minha feiura já basta.” (Assombração)

“Mulheres lindas agora querem sair comigo. Elas adoram ter um monstrinho de estimação.” (Assombração)

ASSIM É

Governados sempre fomos
Pela nobreza ralé
Hoje é a República Sindical
Que nos dá o osso e come o filé.

“Papa argentino? Não tenho nada contra os argentinos. O que não me desce são os papas.” (Pócrates)

“Após a terceira dose de Bourbon caem todas as barreiras e limites. O animal fica nu.” (Mim)

“Temos por aí uns sovaquinhos que nem O Boticário salva.” (Mim)

“Não ando com garotas de programa. Mal dou conta das velhas de programa.” (Climério)

“Contam que o melhor do inferno são os bailões. Pode-se até dançar pelado. O único inconveniente é a cerveja quente.” (Climério)

“Minha vida está tão boa que estou até cuspindo brigadeiro.” (Mim)

“As víboras humanas passam seus venenos no chocolate.” (Filosofeno)

“Antes ser premiado pela feiura que pela burrice.” (Assombração)

GUILHERME FIUZA-Mandela e o mensalão

A frase que resume os dez anos de reinado do oprimido no Brasil foi dita pelo deputado João Paulo Cunha (PT-SP), condenado no processo do mensalão: “Se o Mandela ficou 27 anos preso, eu suportarei também.”

Nelson Mandela tinha acabado de morrer, e já era contrabandeado pelo herói mensaleiro. Os oprimidos de gravata sugam o que podem, até a memória alheia. Não se pode esquecer que, em sua propaganda eleitoral, Dilma Rousseff confiscou a identidade de Norma Bengell, usando uma foto da atriz na passeata de 1968 em sua apresentação biográfica. No dia seguinte ao brado de João Paulo Cunha, Dilma estava no Congresso do PT que apoiou os mensaleiros condenados. A presidente repetiu, com a ajuda de Lula, o já famoso gesto do braço erguido com o punho cerrado — inaugurado por Dirceu e Genoíno na chegada à prisão. Não se sabe bem o que significa aquela mão fechada. Há quem diga que é um aviso de que não vão devolver o que roubaram.

Como pode a presidente da República participar de um comício em defesa de corruptos condenados e presos? Um comício onde um partido político censura a mais alta corte da Justiça, com pesados ataques ao seu presidente? Dilma pode. Assim como o mensaleiro João Paulo pode se comparar a Mandela e, em seguida, dizer “longe de mim me comparar a Mandela”. Pode também distribuir centenas de exemplares de uma revista inocentando a si mesmo, e se declarar ofendido quando a imprensa pergunta quem pagou aquilo. Num país saudável, João Paulo Cunha viraria piada e Dilma Rousseff teria de prestar esclarecimentos no Congresso Nacional sobre seu gesto favorável a criminosos. Mas no Brasil a moral virou geleia.

Tanto que, no embalo do espírito natalino, virou moda entre a elite culta defender José Genoíno. Vozes intelectualizadas se erguem para avisar que o ex-presidente do PT, condenado e preso, não ficou rico e vive até hoje modestamente. Os samaritanos não chegam a dizer que o mensalão não existiu, mas dizem que a biografia de Genoíno é ótima e ele é cardíaco. Bradam que é um absurdo estigmatizar como bandido um cara tão legal.

Não é preciso dizer mais nada para explicar o Brasil de hoje. Um indivíduo condenado como partícipe do maior assalto aos cofres públicos da história da República encontra, entre vozes supostamente respeitáveis, uma espécie de anistia informal. Estava no bando mensaleiro, mas leva uma vida franciscana. Se meteu nesse rolo, mas é gente boa. Note-se que essas pessoas de bem não chegam ao delírio petista de afirmar que qualquer um dos mensaleiros seja inocente. Apenas se mostram indignadas com o fato de um sujeito bacana como Genoíno (condenado por corrupção ativa e formação de quadrilha) ser tratado como criminoso. Está inaugurada a figura do infrator bonzinho.

Possivelmente Genoíno não tramaria o valerioduto, exatamente por sua boa índole. Mas então deveria, em vez de assinar a papelada suja de Valério, ter se demitido imediatamente da presidência do PT. Não o fez porque já havia transformado a política em emprego, assim como o exército de companheiros medíocres que tomaram o Brasil de assalto como meio de vida. E não largarão o osso em 2014, justamente porque os brasileiros honestos são indulgentes com o infrator bonzinho.

No mesmo congresso partidário em que Dilma participou do desagravo aos mensaleiros, Lula deu mais uma aula de princípios. O oráculo afirmou que a imprensa (sempre ela) exagerou no caso do emprego de José Dirceu. Um sujeito condenado por desviar uma montanha de dinheiro público consegue, na prisão, salário de 20 mil reais como gerente de um hotel que tem um “laranja” entre seus donos. Mais impressionante: esse condenado que não disfarça suas ótimas relações com o submundo é apoiado em público pelo ex-presidente e sua preposta que governam o país. E o país, ato contínuo, avisa que vai reeleger o bando em primeiro turno.

Pensando bem, com um salvo-conduto desses, piratear Nelson Mandela e Norma Bengell está barato. Jesus Cristo não escapa.

Enquanto isso, na realidade tediosa dos que não têm os punhos cerrados em direção ao céu, o Brasil bate mais um recorde: maior rombo nas contas externas em mais de 50 anos. Uma bobagem, puro preconceito contra o governo popular: os investidores estão fugindo do Brasil só porque o governo petista mente sobre suas contas, tenta esconder a inflação comprimindo tarifas e comprometendo empresas como a Petrobras, diz coisas desencontradas sobre política monetária, abandona a infraestrutura e fatura com a selva tributária, fazendo o risco Brasil disparar. Tudo inveja da ascensão terceiro-mundista, diria o saudoso Hugo Chávez.

Agora há uma corrente do PT defendendo apoio formal aos métodos boçais dos black blocs. Medida desnecessária. Os métodos do partido destroem com muito mais eficácia.


“Antes ser um vivo fora de moda que um defunto elegante.” (Mim)

“Alguns homens com o passar do tempo se transformam em ursos: só bafo e pelos.” (Josefina Prestes)

Amar é...Só bater nela com os lábios.

“Além de curtir uma lareira, quais os outros divertimentos no inferno? Alguém sabe? ” (Climério)

“A mãe de Hitler achava ele um anjinho. O certo é que mães também se equivocam.” (Filosofeno)

“Loucura; uma fatalidade. Estupidez; uma escolha.” (Filosofeno)

“Deveríamos comer moscas. Não vejo sapos doentes por aí.”(Pafúncio)

RODRIGO CONSTANTINO- CIA ajudou Colômbia a matar líderes das Farc? Parabéns!


Leio no jornal que, segundo o “The Washington Post”, a CIA teria ajudado o governo colombiano a matar, em ataques cirúrgicos, os líderes das Farc. Vejam a notícia:
O jornal revelou que a Agência Nacional de Segurança (NSA) também forneceu “ajuda substancial de espionagem” à Colômbia.
A publicação indica ainda que os Estados Unidos providenciaram ao país um sistema movido por GPS que transforma munições normais em “bombas inteligentes”, capazes de acertar o alvo com precisão, mesmo que ele esteja na selva.
Tomas Medina Caracas, conhecido como Negro Acacio, chefe do tráfico das Farc, foi o primeiro alvo do ataque. Em 1º de setembro, às 4h30 da manhã, pilotos com óculos de visão noturnas instalaram diversas “bomas inteligentes” em seu acampamento, no leste da Colômbia. As tropas recuperaram apenas uma perna.
Seis semanas depois, as bombas mataram o líder Gustavo Rueda Díaz, conhecido como Martin Caballero, enquanto ele falava ao celular. As mortes dos dois dirigentes provocaram o colapso de duas frentes das Farc, e desencaderam deserções em massa. Em 2008, a Colômbia, com aprovação tácita dos EUA, lançou bombas no Equador, matando o comandante da facção Raul Reyes, considerado o número dois da organização.
A reportagem se baseia em entrevistas com mais de 30 autoridades atuais e antigas dos Estados Unidos e da Colômbia, que falaram sob condição de anonimato, uma vez que o programa, aprovado em 2000 pelo então presidente George W. Bush, é confidencial e se encontra em curso.
Só tenho uma coisa a dizer: se for verdade mesmo, parabéns! As Farc são um grupo terrorista, composto por sequestradores e narco-traficantes, que usam o manto da ideologia revolucionária comunista para justificar todo tipo de crime abjeto. Uma guerrilha que inferniza a vida do país há décadas, e que precisa ser eliminada. 
Ataques cirúrgicos, possíveis graças à tecnologia, ajudam a salvar vidas inocentes – e até a de não-inocentes. Esses ataques certeiros costumam matar apenas o alvo, normalmente o líder dos bandidos. Israel utiliza esse instrumento para matar líderes terroristas islâmicos também, enquanto os próprios terroristas fazem o contrário: tentam maximizar a quantidade de alvos inocentes em seus ataques.
Tal diferença, aliás, diz tudo sobre cada lado. Um tenta proteger suas crianças e matar apenas os líderes terroristas do outro lado, tentando proteger os inocentes de lá; o outro coloca as próprias crianças e mulheres como “escudos humanos”, e tenta matar as crianças e mulheres do outro lado. Mas há quem adote uma postura “neutra” nessas guerras…
O governo colombiano de Uribe fez um ótimo trabalho no que diz respeito à ameaça comunista das Farc, e ainda teve bons resultados econômicos também. Hoje a Colômbia, junto com os demais países da Aliança do Pacífico, desponta em crescimento com baixa inflação.
Enquanto alguns governos latino-americanos olham para os Estados Unidos como parceiros, tanto comerciais como militares, para combater terroristas, guerrilheiros e traficantes, outros olham como a grande ameaça, e preferem se aliar… aos terroristas, guerrilheiros e traficantes!
Há quem deseje ver os sequestradores das Farc tendo um partido político oficial e disputando eleições democráticas. Os líderes do PT se colocam como “interlocutores” dessa gente, e alguns chegaram a receber os criminosos, como fez o então governador Olívio Dutra no Palácio Piratini. Sem falar daquela denúncia que a Veja fez, de que as Farc teriam dado 5 milhões para a campanha de Lula…
Em resumo, há basicamente dois lados nessa história: aqueles que se colocam radicalmente contra terroristas, dispostos inclusive a pedir ajuda aos americanos para combatê-los; e aqueles que fingem neutralidade, enquanto estão claramente do lado de lá, dos terroristas e guerrilheiros traficantes.
Eu, obviamente, tomo partido, e aproveito a ocasião para dar os parabéns ao governo colombiano, ao mesmo tempo que lamento profundamente termos um governo tão conivente com criminosos em nosso país.

RODRIGO CONSTANTINO- Obama: o carrasco dos imigrantes ilegais. Ou: Mais um mito obamista que desmorona

Eis aí mais um mito da esquerda caviar que desaba num piscar de olhos. Lembram daquele candidato multiculturalista, aberto aos imigrantes, camarada de todos? Pois é: o Obama real, no poder, é aquele que bate recorde em captura de imigrantes ilegais. O que seria da esquerda caviar sem sua retórica grandiosa e sua prática diametralmente oposta, ou seja, sem sua hipocrisia?
Deu na Folha que captura de imigrante ilegal na fronteira bate recordo com Obama:
No ano fiscal de 2008, 134 mil indivíduos foram devolvidos ao México após serem apreendidos no ato da travessia para os EUA.
Neste ano, o volume saltou para 235 mil, segundo dados do Departamento de Segurança Interna divulgados na última quinta-feira.
“Há uma relação entre o aumento da militarização na fronteira e a quantidade de mortes. Antes, eles cruzavam por caminhos planos e, em um certo ponto, um parente ou ‘coiote’ [atravessador] os buscava de carro”, diz Geena Jackson, voluntária do No More Deaths (“Chega de Mortes”), organização de ajuda humanitária.
“Mas, com o recente aumento dos guardas e pontos de vistoria nas estradas, eles precisam abrir trilhas mais perigosas, escalar montanhas e caminhar até mais longe antes de serem buscados de carro. São pessoas comuns, sem nenhum equipamento adequado, arriscando a vida para fugir da Border Patrol [a Patrulha de Fronteira]“, declara Jackson.
As travessias são feitas em grupo, mas alguns podem ficar pelo caminho -e muito provavelmente morrer- devido a uma desidratação ou a uma simples bolha nos pés que os impeça de continuar.
Neste ano, foram encontrados 187 corpos de pessoas que morreram tentando cruzar para os EUA, segundo Daniel Wilson, um dos voluntários que estudam e refazem as trilhas deixando galões de água, latas de feijão, cobertores e meias secas, na esperança de que sejam encontrados por migrantes necessitados.
Veja bem: nem é o caso de discordar ou não na fiscalização rigorosa. Lei é lei, e deve ser cumprida. O fato é que Obama tinha um discursinho bem diferente desta realidade. Ainda assim, são sempre os Republicanos que acabam vistos como “anti-imigração” e coisas do tipo. Checar os fatos? Isso dá um trabalho…
Sobre a imigração em si, já publiquei um texto aqui. Os Estados Unidos foram criados na base da imigração. Mas eram tempos diferentes: cada indivíduo tinha que se virar, não podia contar com tantos impostos, ou seja, recursos alheios, para tantas regalias. Em outras palavras, não havia esse estado de bem-estar social, incompatível com a livre imigração.
welfare state oferece uma carona “grátis” aos acomodados, aos novos imigrantes, aos que acabaram de chegar e já podem usufruir de várias coisas pagas pelos demais. Claro que esse modelo gera xenofobia e aversão à imigração livre. Só na cabeça oca e hipócrita da esquerda caviar é que as pessoas adoram trabalhar pesado para bancar as necessidades dos outros.
No mais, vale notar que o fluxo de imigração diz muito sobre os modelos. Por que não há uma horda tentando invadir Cuba, por exemplo? Poxa, não é um “paraíso” onde “nenhuma criança dorme na rua”, com boa saúde e educação de qualidade? Piada de mau gosto. E nada como o “teste do pudim” para verificar onde as pessoas realmente querem viver: nos países mais capitalistas.
Outro ponto importante: construir muros para impedir a entrada de imigrantes ilegais não é o mesmo que construir muros para impedir a saída do próprio povo. Falo esta obviedade ululante pois sempre aparece um ou outro esquerdista para comparar muros nos Estados Unidos e Israel com o Muro de Berlim dos comunistas. Outra piada de mau gosto.
Enfim, defendo uma política bastante liberal de imigração, desde que o modelo não seja o de welfare state coletivista. Já a esquerda, representada por Obama, defende tanto a abertura geral das fronteiras como um mega estado de bem-estar social. Claro que a conta não fecha. Na prática, precisam fechar mais a fronteira e capturar os imigrantes ilegais.
Obama foi o recordista nessa prática. Assim como é o recordista em promessas não realizadas, em hipocrisia, em retórica vazia e em cara de pau. Parabéns, Obama! E parabéns a todos aqueles inocentes úteis que choraram de emoção com sua eleição, pois “tudo” seria diferente. Tem gente que nunca aprende mesmo…

"Com Chávez e agora com Maburro o venezuelano vive numa verdadeira demoniocracia.” (Pepe, um venezuelano com aquilo roxo)

"Já fui fulano, sicrano e beltrano.Hoje sou um rato." (Climério)

"Meu perfume preferido é o Porco Rabane." (Climério)

“Antes ser tutelado pelo capeta que pelos petistas. Com o diabo ainda teremos alegria e bailões. Com os enrustidos comunistas teremos censura, liberdade vigiada, perseguições e miséria. Não é assim em Cuba? Não está sendo assim na Venezuela?” (Eriatolv)

“Por que é que falam mal do meu bafo? Algum desses linguarudos já me beijou? “(Onça Joana)

Um sorriso no rosto, sempre uma graça por fazer. No bolso, contas, muitas contas.

“Devem ser bois da Arca. Em alguns restaurantes servem bifes que só Wolverine conseguiria cortar.”

“Devem ser bois da Arca. Em alguns restaurantes servem bifes que só Wolverine conseguiria cortar.”

“Não tenho arma e nem alma. Sou apenas um minúsculo bagaceira.” (Climério)

“A esperança é o alimento do espírito.” (Filosofeno)

Estar vivo e saudável. Não tem preço.

Seguidores

Arquivo do blog

LIBERDADE COMO NOSSO DOM MAIOR

Ser livre para ir e vir!Pela liberdade de expressão.Pela humanidade contra os pregadores da escuridão que assolam nosso mundo moderno.Democracia verdadeira sempre,não aquela de fachada que persegue quem não compartilha de suas idéias.