terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Alma do negócio

Dora Kramer - O Estado de S.Paulo
Carlos Alberto Parreira, o coordenador técnico da seleção brasileira de futebol, até onde a vista alcança não é um agente a serviço do negativismo oposicionista.
É um profissional respeitado, um homem de modos e temperamento comedidos, de experiência incontestável. De onde há que se prestar atenção ao que ele diz sobre a Copa do Mundo de 2014, sem imputar-lhe outra intenção que não a da constatação pura e simples de uma realidade cristalina.
Parreira falou dia desses à rádio CBN sobre o que qualificou como "descaso total" em relação às obras de infraestrutura para o Mundial. Criticou o menosprezo ao planejamento, aos prazos, lembrou que o Brasil teve tempo suficiente para se preparar (desde 2007) e não o fez e, por fim, concluiu: "Perdemos a oportunidade de mostrar um Brasil diferente".
Não falava só de estádios. Aliás, nem abordava em detalhes esse assunto. Não entrava no mérito de quantos estariam prontos e testados a tempo, não discutia gastos nem fazia comparações de quanto dinheiro poderia ser investido nisso ou naquilo.
Referia-se ao mínimo: "Precisamos de aeroportos, de segurança, de conforto". Em condições razoáveis isso aqui não há. Nem para os locais nem para os que virão assistir aos jogos. Nada indica que até junho - daqui a cinco meses - haverá nas cidades tudo o que até agora não houve.
A rigor, não precisaria Carlos Alberto Parreira dizer, pois nesse cenário todos convivemos. Mas, é sempre bom quando uma voz moderada (e abalizada) aponta o óbvio a fim de que não acabemos convencidos de que nossos temores sejam fruto de um alistamento ao exército de soldados da guerra psicológica travada por trás de qualquer crítica.
Ninguém está dizendo que não haverá Copa muito menos torcendo para que seja tudo um fiasco. Apenas, nesse momento em que o governo se prepara para lançar uma megacampanha publicitária para fazer frente aos questionamentos sobre gastos e atrasos nos preparativos, é de se perguntar se a propaganda seria a arma mais eficaz.
É a ferramenta predileta do Planalto, sem dúvida. Em junho do ano passado, por exemplo, assim que os protestos encorparam, a presidente Dilma Rousseff foi para São Paulo se reunir com o antecessor Lula da Silva e com o jornalista João Santana para discutir uma estratégia de reação.
Lula é bamba na política e Santana um ás no marketing. Como se vê agora pela preocupação com os sinais da volta das manifestações, tais atributos não deram conta do recado.
Claro, pois faltou ouvir o que estavam dizendo as pessoas. Não queriam política habilidosa nem propaganda maravilhosa, mas serviços eficientes. Receberam meia dúzia de promessas desconexas e ficou tudo por isso mesmo.
De novo o Planalto recorre ao estratagema publicitário. A comunicação é de suma importância. Indispensável para seu êxito, no entanto, é a qualidade do produto.
Trazer a Copa e as Olimpíadas para o Brasil proporcionou uma alta exposição positiva ao governo Lula. Os dois lances se incorporaram ao patrimônio que ajudou a eleger Dilma em 2010.
Mesmo o governo não tendo se mexido para a Copa desde a escolha do Brasil até então, o eleitorado não reclamou. Antes, confiou. O governo é que não deveria ter atuado na base do "na hora tudo se ajeita". Está feito.
A Copa sairá de qualquer maneira. Mas o governo federal e os governos estaduais (inclusive os comandados por partidos de oposição a Dilma) não poderão espetar eventuais prejuízos na conta dos incidentes. Nem esperar que a campanha publicitária corrija os problemas da realidade.
A melhor propaganda para a Copa de 2014 teria o planejamento correto e a execução dos compromissos assumidos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Seguidores

Arquivo do blog

LIBERDADE COMO NOSSO DOM MAIOR

Ser livre para ir e vir!Pela liberdade de expressão.Pela humanidade contra os pregadores da escuridão que assolam nosso mundo moderno.Democracia verdadeira sempre,não aquela de fachada que persegue quem não compartilha de suas idéias.