sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

O preço do desleixo

Dora Kramer - O Estado de S.Paulo
Conforme demonstram os repetidos apagões no fornecimento de energia elétrica, não há publicidade nem garantias lastreadas em palavrório que possam fazer frente às agruras da realidade, essa rebelde renitente.
Assim ocorre com todas as questões que são tratadas apenas sob a perspectiva do ganho eleitoral. No governo se diz agora que há preocupação com o prejuízo dos apagões à reeleição de Dilma Rousseff, quando antes não se cuidou com o mesmo zelo de medidas de longo prazo para assegurar o abastecimento de energia à população.
Um jornal do Chile está preparando uma reportagem sobre as implicações das falhas no setor de energia para o governo Dilma. A jornalista envia por e-mail algumas perguntas que incluem os atrasos nas obras para a Copa do Mundo, os protestos. Ela manifesta curiosidade específica sobre dois pontos.
Um de caráter geral: "Há má gestão das crises e mau planejamento dos megaeventos em que o Brasil se envolveu?". Outro de cunho eleitoral: "A presidente poderá sair sem danos dessa situação?".
A resposta à primeira indagação está no enunciado da pergunta. Inexiste gestão e planejamento. O bem-estar da população, as medidas de longo prazo para assegurar o "risco zero" de apagões foram deixados de lado em nome da soberba, do incentivo irresponsável ao consumo e da demagogia nas tarifas.
A segunda é uma incógnita. Por ora, o que se pode dizer é que há potencial danoso para a presidente, pois a persistirem os transtornos na vida cotidiana do brasileiro é provável o reflexo no humor do eleitorado.
O governo não se sai dessa alegando que não se pode politizar o assunto. O PT foi o primeiro a fazer pesado uso político dos apagões do governo Fernando Henrique Cardoso, muito embora na ocasião tenha havido uma atitude diferente: o governo admitiu a situação, atuou, chamou a sociedade a economizar e evitou o racionamento.
Em 2010 Dilma, ex-ministra das Minas e Energia, foi apresentada e celebrada como a solução para todos os problemas de gestão, notadamente no setor energético. O resultado está aí: doze anos depois daquela campanha de 2002 o problema volta a assombrar. Desta vez rondando o PT nas urnas.
Mas isso não é o mais grave. O preço eleitoral que o partido terá (ou não) de pagar é um pormenor perto do prejuízo que a imprevidência governamental causa ao País e à vida das pessoas.
Mal comparado. Um caso remete ao outro, mas não há termos de comparação entre os pedidos de extradição de Cesare Battisti e de Henrique Pizzolato.
Battisti foi condenado na Itália por assassinato. Fugiu para o Brasil e teve pedida sua extradição, concedida pelo Supremo Tribunal Federal. O governo brasileiro, em decisão monocrática do então presidente Lula da Silva, negou e pôs em dúvida a legitimidade da sentença da Justiça italiana. Recorreu ao mesmo argumento dos mensaleiros de agora: o julgamento teria sido produto de perseguição política, um rito de exceção.
Dedução bastante questionável, para dizer o mínimo, tendo em vista a vigência plena da democracia na Itália. Assim como aqui o processo do mensalão foi examinado em ambiente de normalidade institucional.
Já a recusa praticamente certa do governo italiano a extraditar Pizzolato tem lastro na Constituição que permite a imunidade para cidadãos natos.
Obedeceria a esse critério, pois o condenado tem dupla cidadania. Além disso, não entraria em choque com decisão da mais alta instância judicial do País nem teria o viés ideológico do ato que beneficiou Battisti.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Seguidores

Arquivo do blog

LIBERDADE COMO NOSSO DOM MAIOR

Ser livre para ir e vir!Pela liberdade de expressão.Pela humanidade contra os pregadores da escuridão que assolam nosso mundo moderno.Democracia verdadeira sempre,não aquela de fachada que persegue quem não compartilha de suas idéias.