quarta-feira, 5 de março de 2014

CAIO BLINDER- O bloco dos solitários antichavistas e o descompasso na AL

Sem folia na coluna no fim de carnaval no Brasil, quarta-feira de cinzas, exatamente um ano da morte de Hugo Chávez. Eu abro alas aqui para o artigo comovente, porém desolador, de Enrique Krause, um dos mais influentes intelectuais públicos do México, publicado no indispensável jornal espanhol El País. Seu assunto é a solidão dos estudantes e manifestantes na Venezuela, abandonados por uma América Latina que se nega a renegar o seu fascínio com a Cuba castrista, sustentáculo do regime chavista.
Krause escreve que a maioria dos estudantes venezuelanos não têm memória de outro regime, a não ser o chavista, e não querem envelhecer com ele. Eles têm o apoio dos seus pais, professores e metade da população que em 2013 votou contra Nicolás Maduro, mas estão quase sozinhos na América Latina. Krause diz ser surpreeendente o apoio nas redes sociais latino-americanas à cantilena chavista de que os manifestantes são “fascistas”, “reacionários” e aliados do “imperialismo americano”.
Embora a revolução cubana tenha perdido sua aura mítica, a cultura política latino-americana ainda é muita atrasada para cultivar a democracia representativa e o liberalismo. Por este motivo, a chantagem ideológica de Cuba e Venezuela ainda funciona. Os ídolos políticos são redentores como Eva Perón, Che Guevara, Fidel Castro e Hugo Chávez. Krause cita Octavio Paz: amplos setores da esquerda latino-americana, mesmo com a queda do Muro de Berlim, negam-se a criticar o totalitarismo cubano. Com seu anacronismo, não vão criticar a revolução bolivariana.
Krause escreve que dirigentes como Dilma Rousseff dão respaldo à Cuba também por motivos cínicos, com as oportunidades econômicas na ilha que devem se abrir em Cuba com a morte dos irmãos Castro. Estes dirigentes não vão adotar posturas idealistas, colocando em risco a estabilidade da ilha comunista. Esta lógica, para o escritor mexicano, explica o objetivo de Dilma Rousseff de manter intacta a aliança com Cuba e Venezuela.
Krause arremata que esta é uma lógica alheia aos estudantes venezuelanos, na vanguarda da luta pela democracia. Mas, a América Latina -seus governos, suas instituições, seus parlamentos, seus intelectuais e seus estudantes, é ingrata com a Venezuela. O país que em grande medida libertou a região há 200 anos hoje luta sozinho por sua liberdade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Seguidores

Arquivo do blog

LIBERDADE COMO NOSSO DOM MAIOR

Ser livre para ir e vir!Pela liberdade de expressão.Pela humanidade contra os pregadores da escuridão que assolam nosso mundo moderno.Democracia verdadeira sempre,não aquela de fachada que persegue quem não compartilha de suas idéias.