sexta-feira, 11 de abril de 2014

Túnel do tempo: a politização, infiltração comunista e destruição da Petrobras não são novidade!

Vejam, caros leitores, como as coisas no Brasil muitas vezes andam em círculos. A sensação de déjà-vu é constante. Se você pensa que o PT inventou a roda aparelhando a Petrobras com seus “vermelhinhos”, levando a infindáveis escândalos e a uma enorme destruição de valor, engana-se. Isso já ocorreu antes, em um governo que também sonhava em transformar o Brasil em uma grande Cuba.
Abaixo, editorial do GLOBO publicado em 7 de setembro de 1963, data muito sugestiva e propícia, o nosso Dia da Pátria, a Independência do Brasil. Qualquer semelhança não é mera coincidência:
Petrobras Set 1963
Impressionante, não? Hoje, por exemplo, a Petrobras continua financiando, com o nosso dinheiro, “campanha de agitação e subversão”, ao bancar o MST, entre outros grupos subversivos. Mas calma que ainda não acabou! Logo depois, o jornal segue subindo o tom e demandando ajustes por parte do governo:
Petrobras set 1963 II
Instrumento de sovietização! Atentai para tal expressão, estimados leitores! Para concluir, o jornal diz: “Deveria o Presidente João Goulart iniciar pela Petrobras a purificação de seu governo. Afaste, imediatamente, os diretores comunistas, faça voltar os técnicos, ponha a empresa à margem da Política, e a decepção que ele vem causando ao povo brasileiro se transformará em novas esperanças. Ao mesmo tempo dará Sua Excelência à Nação – se assim proceder – uma cabal demonstração de seus propósitos, provando que deseja governar afastado dos extremos, cujo facciosismo tantos males vem causando ao Brasil”.
O presidente não deu ouvidos. Sabemos como tudo acabou, e não foi nada bom…
Rodrigo Constantino

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Seguidores

Arquivo do blog

LIBERDADE COMO NOSSO DOM MAIOR

Ser livre para ir e vir!Pela liberdade de expressão.Pela humanidade contra os pregadores da escuridão que assolam nosso mundo moderno.Democracia verdadeira sempre,não aquela de fachada que persegue quem não compartilha de suas idéias.