segunda-feira, 19 de maio de 2014

VIDA EM CUBA- YOANI SÁNCHEZ

Tu não vens “no pacote”

Taxi colectivo
Pegar um táxi coletivo ao meio dia com a carroceria quente pelo sol e berrando em cada buraco é uma experiência que comove. Baixa-se a cabeça, apequena-se para poder sentar nos assentos improvisados. Fiapos da saia ou da calça pendurados num parafuso mal colocado, de uma ponta metálica que não deu tempo de bolear. Então chega a prova mais dura: compartilhar o gosto musical do chofer que se impõe em golpes de decibéis. Mas também é uma experiência psicológica singular, uma olhada jornalística que leva a refletir sobre esta realidade peculiar que habitamos.
Faz dias abordei um desses velhos “batiscafos” que rodam por Havana. Autêntico ferro velho, porém com os poderosos alto falantes de uma discoteca. O reggaetónensurdecia. A maior parte das letras era sexista… Previsíveis, até que tocou uma que me fez pensar. O cantor ria-se de alguém e espetava: “ah… Tu não vens no pacote”. Duravam só alguns segundos. “ah… Tu não vens no pacote…”, porém era suficiente. Referia-se talvez a outro músico ou artista que não aparecia na compilação dos chamados “combos”, seleções de audiovisuais distribuídos de modo alternativo e abominados pelo governo.
O que já chama a atenção no repertório popular: ficar fora do “pacote” rebaixa qualquer um ao último escalão de popularidade. Se determinado vídeo clip, documentário ou filme não estão incluídos nestas compilações isso é sinal da sua baixa notoriedade. O mais significativo é que quando as pessoas podem fazer sua própria “programação televisiva” neste gigabytes de telenovelas, documentários ou musicais… Nunca inclui os espaços oficiais. Ou seja, poder-se-ia lançar à Mesa Redonda* o ácido estribilho: “ah… Tu não vens no pacote”, como também ao noticiário principal, aos atos políticos e a quanto discurso ou declaração governamental transmitida pelos canais nacionais.
A voz do partido Comunista de Cuba ficou fora do “pacote”… Por ser chata, insossa  e repetitiva… E ter pouca credibilidade.
*Mesa Redonda: Tedioso programa de entrevistas da TV estatal.
Tradução por Humberto Sisley

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Seguidores

Arquivo do blog

LIBERDADE COMO NOSSO DOM MAIOR

Ser livre para ir e vir!Pela liberdade de expressão.Pela humanidade contra os pregadores da escuridão que assolam nosso mundo moderno.Democracia verdadeira sempre,não aquela de fachada que persegue quem não compartilha de suas idéias.