domingo, 16 de março de 2014

Frentes frias

DORA KRAMER - O Estado de S.Paulo
A semana passada começou com o Palácio do Planalto falando grosso e terminou com o governo falando fino para tentar conter a rebelião liderada pelo PMDB em sua base de suposto apoio do Congresso.
Na versão do departamento de propaganda oficial, o embate seria ótimo para a presidente Dilma Rousseff, que teria oportunidade de mostrar-se à opinião pública mais uma vez inflexível às demandas fisiológicas dos políticos, uma categoria em franca derrocada de imagem.
Na realidade, o governo viu-se obrigado a chamar os partidos menores da aliança para negociar caso a caso, cargo a cargo suas demandas fisiológicas a fim de tentar esvaziar o movimento dos rebeldes.
O que a presidente ganhou com isso, além de uma derrota humilhante? Absolutamente nada, uma vez que não poderá levar seu gesto de inflexibilidade à massa. O instrumento que teria para isso seria o horário eleitoral.
Nele, do total de 11 a 13 minutos dos quais poderá dispor se conseguir reeditar a aliança na última eleição, algo em torno de quatro minutos pertencem ao PMDB. Evidentemente estará impedida de atacar o aliado nessa tribuna.
Sendo assim, para que serviu o trato agressivo no Congresso? Se a ideia pretendida pelo marketing não for transmitida à massa, perde sua eficácia.
Mas, de outro lado, deixa como prejuízo um imenso mal-estar com os congressistas, cuja disposição de se empenhar pela reeleição da presidente junto aos eleitores será diretamente proporcional à má vontade com que foram tratados.
Pergunte-se a qualquer um dos deputados federais do PT o que acharam da condução do Planalto nesse episódio e se ouvirão críticas. Sob a proteção do anonimato, claro. O silêncio público da bancada na defesa da presidente nesse embate diz tudo.
Visto com especial desalento por ser mais um de uma série, iniciada com a "faxina ética" do primeiro ano de governo, desmentida com a volta de políticos e partidos então afastados.
Na sequência, a redução da tarifa dos bancos seguida por nove altas de juros e a queda no preço nas contas de luz de aumento já contratado para 2015.
X da questão. O cerne da crise do governo com o PMDB está na Câmara. É pelo número de deputados federais eleitos que se define o tempo de televisão destinado a cada legenda. Hoje com 75 parlamentares, o partido tem direito a cerca de quatro minutos.
O PT quer ajuda federal nos Estados para aumentar sua bancada na Câmara na próxima legislatura. Com isso, busca reduzir o tempo de TV e o poder do PMDB já nas eleições de 2016. Com um número maior de deputados, os petistas ficam em condições também de impor candidatura à Presidência da Casa.
Portanto, é de sobrevivência política que se trata. Se Dilma atende às demandas do PMDB por apoio nos Estados contraria os planos de hegemonia de seu partido; se não atende, põe em risco a construção desse projeto de poder, cujo pressuposto é o de que os aliados se contentem com o papel de subordinados.
Em ovos. A liderança do governo na Câmara não tem dúvida de que o PMDB votará contra o projeto que estabelece o chamado Marco Civil da Internet. Por essa avaliação, a bancada não tem como recuar da posição já anunciada.
Mais uma vez os parceiros de aliança serão adversários no plenário nesta semana. Se votação houver, bem entendido. Até sexta-feira o governo só tinha certeza de contar com os votos do PT, PC do B, PDT, PROS e PSB. Tinha esperança de conquistar o PTB e o PP, dúvidas sobre o PSD e quase certeza de que não teria o apoio do PR.
Este último está estressado com o ministro César Borges (Transportes), do partido, que tentou fazer a bancada abandonar o "blocão" e ouviu de volta que se alguém deveria sair de algum lugar era o ministro do cargo.

CAIO BLINDER- Em poucas palavras, os números da farsa na Crimeia

Esta é uma coluneta de poucas palavras e de alguns números sobre a farsa eleitoral deste domingo na Crimeia, região autonôma da Ucrânia, onde 60% dos habitantes são etnicamente russos. A eleição por si é ilegítima e ocorre depois da ocupação russa (agora não mais invisível) da região e uma maciça campanha de “desinformazia” sobre um golpe fascista em Kiev e perseguição de russos étnicos.
Muitos podem imaginar que mesmo em condições ideais e legais (sem medo ou intimidação e orquestração pelo Kremlin de fervor patriótico), a maioria dos habitantes da Crimeia votaria a favor da anexação à Rússia (atualização: pelas primeiras bocas-de-urna, o apoio à secessão foi de 93%).  No entanto, uma pesquisa feita antes da invasão revelou que apenas 42% dos habitantes eram favoráveis ao desmembramento.
Em dezembro de 1991, teve lugar o referendo na Ucrânia sobre independência da União Soviética. O comparecimento foi de 76% e 90% dos eleitores votaram a favor da independência. De acordo com o censo de 1989, os russos perfaziam 22% da população ucraniana (no censo de 2001, eles caíram para 17%). No referendo de 1989, em todos os distritos houve voto da maioria pela independência. Mesmo na Crimeia (onde os russos então perfaziam 67% da população), 54% dos votos foram favoráveis à independência ucraniana.
O novo homem forte da Crimeia, abençoado por Vladimir Putin, é Sergei Aksyonov. Com um rumoroso passado mafioso, ele era uma figura marginal na política local (seu partido pró-Rússia teve 4% dos votos em eleições no ano passado). Como eu disse, não tenho muitas palavras sobre a autodeterminação da Crimeia.

Seguidores

Arquivo do blog

LIBERDADE COMO NOSSO DOM MAIOR

Ser livre para ir e vir!Pela liberdade de expressão.Pela humanidade contra os pregadores da escuridão que assolam nosso mundo moderno.Democracia verdadeira sempre,não aquela de fachada que persegue quem não compartilha de suas idéias.